domingo, 19 de novembro de 2017

um burtopelo no blog do livrinho!

Maria Amélia Jannarelli, para o Instagram no blog do livrinho



O Bartolo Burtopelo foi um dos nossos achadinhos na Feira Miolo[s]... ali, enquanto eu folheava o livro rapidamente, tentando evitar que um dos filhos rasgasse os livrinhos expostos e que o outro usasse o carimbos à venda na banca vizinha (enquanto o marido avisava que eles estavam causando ~ ahn, sério!?), o que me chamou a atenção foi o fato de o menino da história pedir pra sair da casa e ir fazer xixi, enquanto o bicho-papão amarra seu pé com uma corda pra evitar a fuga - estou estudando loucamente a chapeuzinho vermelho, e essa era exatamente a artimanha da menina pra escapar do Lobo nas versões folclóricas e orais do século XVII (foi Perrault que deu um fim trágico pra história, mas isso é assunto pra outro post!). Pois bem, ontem à noite eu e Otto pudemos ler com calma, deitadinhos, aconchegados, na luz do abajur... e foi MUITO DIVERTIDO! Tudo bem que o pequeno estava especialmente de bom humor, e também especialmente peguntadeiro: o que é isso? Ele é um monstro? Mas ele tem cara de bonzinho! Pão picado? Toicinho? Ah, café aguado? Onde já se viu? Hahahah!!! Xixi no pé? Eca!... e assim foi!

Pra mim, a adulta (será!?) dessa relação, a diversão ficou por conta de identificar os pontos-chave da narrativa maravilhosa, das informações do colofão, que entregam a tiragem mínima, o tipo do papel da capa e recheio, da dica que pode vir por aí a trilogia do Bartolo (cês já repararam que a última moda nos livros ilustrados é a trilogia?)... da ficha catalográfica (sim, eu me divirto com essa parte também!) engraçadinha (1. Literatura infantil. 2. Como fazer miga de pão?) - quer mais capricho que pensar nas informações da ficha catalográfica? Sério, fiquem de olho no coletivo BabaYaga, casa de gente bamba!

#pequenotesouro #petitlecteur #artedolivro #petitlivre #pequenoleitor #pensandolalij #lij #livrinho #blogdolivrinho #bichopapao #monstro #contosdefadas #kidlit #kidsbooks #livroalbum #livroilustrado #livroinfantil #babayaga #casababayaga #peterosagae


P.S. Lá vai nosso Bartolo Burtopelo, com as ilustrações de Suryara Bernardi (BabaYaga, 2016), entre outros livros que Maria Amélia (blog do livrinho) encontrou no espaço da miolinho(s) durante a Feira Miolo(s) realizada na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, no dia 11 de novembro. Obrigado pelo carinho! Que leitura séria e divertida! Na foto, vemos também a capa de Acqua Alta, de Nik Neves, uma narrativa visual que comento [aqui].

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Poemas para João

Neide Medeiros Santos – FNLIJ/PB
para o blog Nas Trilhas da Literatura


dorme, meu João, dorme
​​dorme agora sossegado
​​que eu cantarei baixinho
​​para sempre do seu lado.
​(Peter O´Sagae. VII Canção de Isabel)

​Peter O´'Sagae reúne neste bonito livro Uma noite para João e outros poemas (Paulinas, 2017), com ilustrações de Sandra Jávera, quatorze poemas que entrelaçam o nascimento de João, os festejos juninos, canções de ninar e o nascimento de Jesus. O autor transitou com muita naturalidade pelas veredas poéticas, alinhando seu gosto musical com as pesquisas sobre o folclore. ​No seu caminhar pelas veredas da poesia, encontrou uma fada ilustradora que deu beleza aos poemas com seus traços delicados e cores suaves proporcionadas pela técnica da aquarela.

Dispostos em conjunto de dois blocos de sete poemas, eles vêm separados pela ilustração de duas páginas que lembram as bandeirinhas de Volpi. Os sete primeiros poemas estão ligados ao nascimento de João, o festejado santo dos nordestinos. Seu nascimento é celebrado no dia 24 de junho e muito comemorado em todo Nordeste brasileiro. Os outros sete poemas referem-se ao primo de João, o Salvador do Mundo.

​No poema “Canção para Isabel”, poema VII, ecoam vozes de autores de literatura infantil – Maria Clara Machado e Cecília Meireles. ​O cavalinho de Vicente, na peça teatral de Maria Clara Machado, era apenas um pangaré marrom, bem magro, mas para o menino era um lindo cavalinho azul. Com esse cavalinho imaginário Vicente percorre a cidade. ​O cavalinho, no poema de Cecília Meireles, era branco e tinha crina dourada. Descansava entre flores.
​Descansa entre flores, o cavalinho branco. 
​De crina dourada. ​
No poema “Canção para Isabel”, de Peter O´'Sagae, o cavalinho dorme debaixo de véu estrelado. De forma inusitada, o poeta não diz – céu estrelado – o que seria mais comum – mas, “véu estrelado”. ​
A noite varreu as nuvens
​que deixavam triste o céu
​também dorme o cavalinho
​debaixo do véu estrelado
​Para ilustrar esse poema, Sandra Jávera colocou um menino (João), deitado com a cabeça sob um travesseiro e um círculo azulado envolvendo todo o menino. O ambiente onírico do poema se transfere para a ilustração. O branco e o azul estão presentes conferindo um clima de paz e tranquilidade.

​O poeta Manuel Bandeira, na apresentação que fez para o livro “O cavalinho azul”, lembra que a cor azul “sempre foi símbolo de sonho, de ideal, de infinito”. As cores frias, verde e azul predominam nas ilustrações feitas por Sandra Jávera corroborando a afirmativa do poeta Manuel Bandeira.

​Ainda, nas ilustrações, chama à atenção do leitor as delicadas figuras que representam o menino João, o avô e Isabel. Até mesmo as libélulas que enfeitam a parte interna da capa, são delicadas, simétricas, pequeninas. ​

O primeiro poema – “Quem é o menino” – inicia com a inocente pergunta:
Vô, quem é
​aquele menino
​com o carneiro
​na mão?
​E vem a resposta do avô:
Aquele é João.
​O último poema – “O outro menino” – também se inicia com outra pergunta:
Vô, quem era
​aquele Menino
​com olhos de luz?
​E o avô responde com a mesma naturalidade: ​
João, ​
aquele é seu primo
​O menino com olhos de luz é Jesus, que nasceu depois de João. Conta a história que quando Maria visitou a prima Isabel que estava grávida de João o menino exultou de alegria no ventre de Isabel. Maria também estava grávida daquele que seria o Salvador do Mundo.

Uma noite para João e outros poemas é um livro que trata de uma temática religiosa cristã. São textos que vêm envolvidos de muita ternura e sensibilidade. A musicalidade dos versos e a criação de imagens de grande riqueza poética atraem o leitor que fica seduzido por essa linguagem e pelas bonitas ilustrações.

​Para concluir, comprova-se a criatividade poética do autor com a transcrição do poema “III – E foi bem assim”:
quando nasceu
​o menino, Isabel
​mandou acender
​uma fogueira
​no ponto mais alto
​da montanha

​leve e ligeira
​muito branca, subiu
​uma fumaça
​aberta em bandeira
​no pano de estrelas
​bem alto no céu
​Se a primeira estrofe segue uma linguagem denotativa, a segunda apresenta riqueza metafórica.Atente-se para o recurso estilístico do “enjambement”. Que venham outros poemas da lavra de quem lapida as palavras com a mesma sensibilidade poética de Cecília Meireles e de Elias José.

sábado, 14 de outubro de 2017

João em Frankfurt


Alegria viajar com o Catálogo Paulinas Brasil para a Feira do Livro de Frankfurt, realizada em 14 e 15 de outubro de 2017. Na abertura da seção Children & Youth Literature, destaque para a ilustração de Sandra Jávera para o poema IV – Canção do tempo.

Obrigado pela boa companhia, Ir. Goretti Oliveira!


A NIGHT FOR JOHN, na página 34.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

João no Colégio Parthenon!

Flipar 2017


De setembro entrando outubro, dei três voltas pela Dutra ao tomar parte do III Festival Literário do Colégio Parthenon, em Guarulhos. A abertura do evento aconteceu na noite de uma quinta-feira, dia 28, com uma conversa dirigida a educadores, ao lado de André Neves, Fábio Monteiro, Marcia Leite e Penélope Martins.


O tema proposto – O visível e o invisível na literatura para a infância – talvez não fosse dos mais fáceis para alinhavar o que se mostra e o que se esconde em nossa tessitura literária. Palavras, vozes, narrativas pessoais, desenhos: tudo são imagens que carregamos durante a criação, em outras atividades profissionais e fazer pensar o intuito da literatura em nosso cotidiano. Ora, debate aberto, memória acordada...



No sábado e no domingo, o tema retornou mais alegremente na conversa com as crianças e o óbvio então se mostrou: somos todos leitores... E como é a minha rotina? Quantos livros pretendo escrever até me aposentar? Como foram feitos os desenhos para o livro? Me inspirei em Cecília Meireles? Por que escolhi a alfarrobeira para escrever um poema?

Todo o clima de curiosidade vai trazendo suas imagens enquanto respondo à entrevista. De um acalanto ao rock do Legião Urbana – e Renato Russo cantando: “Meu filho vai ter nome de santo.” Uma noite para João é um livro sobre infâncias possíveis, inspirando-se em alguns nomes bíblicos e lendas da imaginação popular. E dá-lhe saber: eu poderia fazer algo que não esquecesse outras religiões?


Claro – e compartilho um pequeno poema para homenagear os gêmeos ibejis, a partir de um desenho de João Lin. Lá no fundo do auditório, alguém sorriu. Também relembro que fiz uma referência ao Sol como um ciclope, ameaçando de morte os sete filhos da Felicidade, e exibo a capa do livro de Ziraldo – O menino mais bonito do mundo... Estou com um pé na mitologia. Pergunto: quem era o deus sol? Ouço o nome de Hórus, puxo o nome de Hélio, aquele que tudo vê... E, então, rodopio! Num dia, declamei um poema de Carlos Queirós Telles; no outro, li um parágrafo de Bartolomeu Campos Queirós – Pedro, o menino que tinha o coração cheio de domingo. Talvez aí esteja meu recado: um texto que leio eu guardo com os livros que me acompanham.


Foi realmente significativo ver a festa acontecendo pelos corredores, pais e filhos juntos por todo o final de semana. Além das fotografias, deixo aqui meu abraço para o Fábio Monteiro, a equipe do Colégio Parthenon e a Editora Paulinas, agradecendo a oportunidade de conhecer o rosto de meus leitores, entre onze e doze anos – crianças de muitos nomes e muitas perguntas.



P.S.1. A conversa sempre continua fora do auditório e isso é bom. Um menino cochichou: eu não gosto de tirar fotografia. Respondi: eu também não, mas... olha lá, seu pai tá bem contente!


P.S.2. Conheci também duas jovens professoras do Colégio Shunji Nishimura, da cidade de Pompeia. Daniela Andrade e Nayara Ayafuso se achegaram com o dedo indicativo: você nasceu em Marília! Elas foram alunas e trabalham com Kahori Miyasato, colega de faculdade de Yolanda K. Matsuda, minha professora de língua portuguesa durante a 7a. e 8a. séries. Todos os pontos da rede conectados. Pela literatura!

Fotos 1, 4 e 5. Luciana Sbampato, 2. Marina Pontes Filandra, 3. Patrícia Previato, 5. Raquel Matsushita; demais, feira e sessão de autógrafos no Colégio Parthenon, por Luiz Sposito.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

livro cheio de encanto e musicalidade

Resenha || Uma noite para João e outros poemas,
por Nilda de Souza, para o blog Garagem Blue Cult.


Nos últimos tempos tem sido maravilhoso poder ler livros infantis. É incrível como histórias tão curtas podem nos tocar de uma forma tão especial. O último que me embalou em suas páginas foi Uma noite para João e outros poemas, livro cheio de encanto e musicalidade.

Uma noite para João e outros poemas nos transporta para o ambiente musical das festas juninas. Eu tenho uma forte ligação com essas festas, com os festejos dos santos no interior no Nordeste, mesmo eu não sendo uma pessoa religiosa. Eu cresci frequentando quermesses. Por isso os poemas me transportaram para um lugar colorido e cheio de canções.


Poesia e cultura popular: Uma noite para João e outros poemas 

Uma noite para João e outros poemas contém 15 poemas, em cada um vemos a imagem de João. O João, personagens históricos do cristianismo, se confunde com um outro João, o menino. Ainda há outros meninos: Pedro, José e Marçal.

O que eu mais gostei em Uma noite para João e outros poemas é que ele é repleto de imagens, fantasia e sensibilidade. Por fim, preciso dizer que as aquarelas da Sandra Jávera são tão lindas. O azul provoca uma imersão no mundo das quermesses, das crenças papulares, conjugando maravilhosamente com a simbologia dos poemas.



Uma noite para João e outros poemas é um livro para os pequenos se deleitarem com poesia de qualidade e, claro, terem contato com nossa rica cultura popular. E não pense que esse é um livro que os seus filhos não vão entender, por acreditar que a poesia é difícil. Pois saiba que a poesia é uma linguagem que toca as crianças sensivelmente, por ter características próprias que contribuem na construção e reconstrução do mundo dos pequenos leitores.

Uma noite para João e outros poemas é mais um livro que vou indicar para todos. 


Fonte:
www.garagembluecult.com/2017/09/01/resenha-uma-noite-para-joao